Quem Somos

A inovação e tecnologia tem trazido para o setor cultural e das artes e por consequência, para todos seus atores, novas possibilidades nas mais variadas dimensões desse universo. Instituições culturais, por exemplo, agora podem formatar suas exposições e exibir seus acervos em novos formatos, seja utilizando a realidade aumentada para gerar uma interação imersiva do público com a obra, seja utilizando a rede blockchain para criar novos formatos de posse de obras, através da fragmentação.

Para artistas, novas ferramentas de concepção, criação artística e comercialização têm surgido, plataformas que através de uma frase idealizam um desenho totalmente novo e personalizado, marketplaces democráticos que incentivam artistas emergentes, espaços no metaverso que proporcionam a ida a alguma exposição sem sair da sua casa.

Essas ferramentas têm sido úteis para formação e retenção de um público cada vez mais conectado. Entretanto, para melhor aproveitamento de todas essas possibilidades as instituições culturais e artísticas devem estar a par dessas novas soluções que emergem no mercado, e mais do que ciência é preciso, entendimento desse novo universo para que a junção do antigo e do novo seja feita de uma forma criativa e eficiente.

Nesse sentido, as startups têm sido essenciais no processo de inovação desse setor, uma vez que é através delas que dores e problemáticas até então tidas como irreversíveis ou inerentes da prática cultural, podem ser melhor entendidas e solucionadas a partir de uma nova perspectiva.